quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Mulheres Que Amamos Odiar - Parte 1

Boa Noite Lindos!!!


Nesta noite calorenta, sem ir para faculdade e cheia de caraminholinhas na cabeça (sou normal ok!!!), resolvi escrever sobre aquelas mulheres deslumbrantes, que mesmo fazendo papéis odiosos na telinha, nós amamos odiar...

Todos temos nossa vilã favorita e escolhemos algumas de suas maldades para nos inspirar, afinal, não dá pra ser boazinha 24 horas por dia!!!

Para começar, escolhi a número um, a melhor e mais glamourosa de todas... a absoluta... a chique... a sensual... a maléfica... a poderosa PAOLA BRACHO.


Interpretada pela atriz Gabriela Spanic, que estava em sua melhor forma, Paola Bracho em La Usurpadora tornou-se um verdadeiro ícone de beleza, sensualidade e maldade femininas.

Como sempre, nas histórias mirabolantes que somente novelas mexicanas conseguem engendrar, Paola Bracho é uma mulher rica e volúvel, que vive uma vida entendiante ao lado do lindo mas songomongo marido Carlos Daniel Brocha, ops... Bracho.


Convenhamos...
Por mais lindo que seja o rapaz, nenhuma maléfica suporta a sonsice e a falta de personalidade de um marido que não faz o sangue ferver, não é queridinha?

Cansada da vidinha modorrenta de casada, em um golpe de sorte, Paola encontra uma mulher igualzinha à ela e a suborna para ocupar seu lugar por um ano... A dita mulher, a aguadinha Paulina Martins é sua irmã gêmea, separada ao nascimento.

"Ela vai ter que engolir esse amor.. E vai se engasgar!"

As duas trocam de lugar e Paola conseguirá viver suas aventuras e divertir-se com seus amantes enquanto Paulina ocupará seu lugar na casa da família Bracho.

Os homens são escravos de suas paixões. E eu sou mestra nisso, em conquistá-los e despertar essas paixões.

Bom, mas meu propósito aqui não é fazer a sinopse de La Usurpadora, uma vez que o SBT já a retransmite desde a minha mais tenra infância como a Globo reexibe Lagoa Azul na Sessão da Tarde.

A ideia é prescrutar algumas nuances de nossa amada vilã.

Paola é rica, adora a vida glamourosa que vive mas além do luxo ela necessita de emoções... Tem uma voracidade sexual intensa, que é retratada no clichê de suas lindas roupas vermelhas, batons vermelhos, sapatos vermelhos... Enfim, uma Deusa Carmim.

"Sempre há uma testemunha perigosa de suas maldades... mas os mortos não falam."

Para conseguir realizar seus intentos, Paola não poupa ninguém... Não há limite de idade para que ela execute suas maldades.

Notamos em Paola, a imponência e altivez das verdadeiras deusas, que sabem o que querem...

Ela tem Porte de Imperatriz, um corpo escultural e um senso de humor irônico de fazer queimar os cabelos até dos mais pacientes.

Paola sabe o que quer e está disposta a pagar o preço que for necessário para ver seus desejos atendidos. Não se reprime, não se rebaixa, não se sacrifica.

Tem coragem de dizer o que pensa, não dissimula e consegue magistralmente fazer qualquer um sentir-se um verme perto dela.

"Eu detesto sentimentalismo barato."

O mais encantador de nossa malvada é a risada escancarada, com a qual humilha e detona quem se meter no seu caminho.

Fuma com classe sua piteira e consegue usar com muita pertinência uma gama de acessórios que só ficam bem nela mesma...

"Você é tão cansativa e sem graça, maninha."

Iracunda, imediatista, egoísta, sabe como ninguém fazer valer sua vontade, nem que para isso tenha que atropelar a vontade dos outro feito um trator.

"Tenha cuidado, porque, mesmo inválida como estou, saberia dar um jeito de envenenar você."

Venenosa, intensa, camaleoa, elegante, sedutora, escancarada... me faltam palavras para elogiar ou definir nossa diva...

E porque amamos uma mulher assim tão mau caráter?

Talvez seja porque Paola é a mulher de verdade que existe escondida em cada uma de nós, que foi reprimida pela sociedade, pelos papéis e máscaras que nos foram impostos ao longo da vida e que nos impedem de sermos tão sinceras e verdadeiras quanto gostaríamos de ser.

"Eu quero dinheiro, pra me divertir. Um milhão de dólares, um milhãaao."

Preferimos ser hipócritas, achando que assim seremos melhores que ela mas na verdade estamos sendo iguais, apenas de maneira diferente.

"A honra é uma coisa muito elástica e convencional, queridinha!"

Ela canta para humilhar os mais fracos de índole, encantar os brutos de coração mole, e conquista o mundo com seu cinismo encantador. Nossa diva jamais se renderá à justiça.
Quem tentar escapar do charme letal de Paola Bracho encontrará a insanidade, a morte iminente ou terá sua fortuna limpada num piscar de olhos.


Acidentes de carro e cadeiras de rodas são meros detalhes na trama da vilã de maior dominação mundial. Paola quer o mundo à seus pés... e certamente terá...

We love Paola!!!!


No fundo toda mulher tem uma Paola Bracho dentro de si. Eu tenho duas.

2 comentários:

  1. Ser um pouco Paola, é uma auto-defesa, devemos conservar uma Paola dentro de nós.
    beijos e sucessos
    http://www.esquentandooclima.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkk' Dei muitas risadas! A Paola me dava medo logo que assisti a 1° vez que foi ao ar, hoje em dia, a considero uma DIVA! ;D

    ResponderExcluir